GAIA| RESIDÊNCIA ARTÍSTICA tem concepção e curadoria de Leandro Savoy (Psiquiatra) e Carmen Morais (Artista da Dança) e nasceu do desejo de cruzarem suas práticas profissionais para criar um espaço onde, arte e saúde possam dialogar e fomentar processos de criação.

Assim, dentro desse programa de residência, além de oferecer espaço de ensaio para o artista residente, formamos uma equipe interdisciplinar de psiquiatra e artistas da dança, para acompanhamento e discussão do processo de criação.

A partir da curadoria dessa equipe nuclear, recorremos à nossa rede de profissionais parceiros para encaminhar outras demandas do processo como: terapeutas, psicólogos, videomaker etc.

Buscamos impulsionar tanto o processo criativo quanto o processo particular do artista fazendo “face” à questão central que o mobiliza para realizar sua criação.

A proposta fomenta trabalhos artísticos que cruzem seus processos criativos com processos psíquicos.

Dentro desse programa de residência, além de oferecer espaço de ensaio para o artista residente, formamos uma equipe interdisciplinar de psiquiatra e artistas da dança, para acompanhamento e discussão do processo de criação.

A partir da curadoria dessa equipe nuclear, recorremos à nossa rede de profissionais parceiros para encaminhar outras demandas do processo como: terapeutas, psicólogos, videomaker etc.

Busca-se impulsionar tanto o processo criativo quanto o processo particular do artista fazendo “face” à questão central que o mobiliza para realizar sua criação.

Em 2017 foi lançado o primeiro processo artístico dentro nosso programa de RESIDÊNCIA com o solo de dança AMBULATORIAL da bailarina Amanda Correa, que tem desenvolvido seu processo dentro da GAIA desde março de 2017.

Veja abaixo sobre esse espetáculo!

AMBULATORIAL

 

Link para vídeo/teaser do espetáculo:

https://vimeo.com/303810090

 

Inserido no contexto da GAIA| RESIDÊNCIA ARTÍSTICA esse solo é um relato dançando das memórias, sentimentos e sensações vividas pela artista Amanda Correa em uma rotina de tratamento, realizado em um Ambulatório de Transtornos Alimentares.

Partindo dos afetos produzidos pelo contato com profissionais da área da saúde, familiares, medicamentos, diários, privadas, balanças e pipocas são desvelados ao longo do solo gestos de um universo subjetivo, transcendendo signos cotidianos do embate com o transtorno.

Concebido dentro da GAIA| RESIDÊNCIA ARTÍSTICA, AMBULATORIAL promoveu em seu processo de criação o diálogo fértil entre profissionais de saúde e artistas da dança, compondo uma equipe interdisciplinar para acompanhamento e discussão da criação artística.

A artista se desnuda arriscando ao re-visistar e ressignificar sua relação com o transtorno aproximando-nos, de uma maneira subjetiva e poética, a um assunto pouco tratado fora do ambiente clínico. O corpo nu se assume , confrontando narrativas que perpassam ideais de corpos e de performance.

A obra tem sua pré-estreia no RISCO FESTIVAL http://www.riscofestival.com/ 2018/

Ficha Técnica:

Concepção, criação e interpretação do espetáculo: Amanda Correa

Concepção e curadoria da residência artística: Carmen Morais e Leandro Savoy

Direção Geral: Carmen Morais

Direção artística e preparação corporal: Carmen Morais e Thais Ushirobira (Artistas da Dança)

Orientação sobre os aspectos psiquiátricos de transtornos alimentares: Leandro Savoy Duarte (Psiquiatra especialista em Transtornos Alimentares pelo Hospital Saint Anne – Paris/França)

Produção: Alessandra Souza

Orientação psicológica: Francine Pezzeta (terapeuta corporal e integrante do grupo “Diálogos Formativos” de supervisão de Denise Passos)

Fotografia: Allan Hiagon e Fernando Mafra

Captação de imagens e edição: Caio Vinícius Rosa

Videomaker: Diego Lajst

Colaborador: Renato Müller (antropólogo e pesquisador do Grupo de Estudos em Práticas Artísticas, Etnografia e Antropologia – PRAEA/UNIFESP.)

REALIZAÇÃO E APOIO: GAIA SAÚDE.